Trails?

Acabo de assistir o vídeo sobre Trails, um framework, na onda Rails, em Java. Alguma coisa fedeu aqui para mim. Me pareceu só um clone mal feito do Rails. Usa Hibernate para persistência, dando um bocado a mais de trabalho ao programador do que o Rails.
Mas o principal problema é o Java. O vídeo, assim como o do Rails, tem 10 minutos. Nos dez minutos do vídeo sobre Rails o sujeito instala e configura o Rails, cria a base de dados e a aplicação funcional. Nos dez minutos do Trails o camarada, que já tinha o webserver, o Eclipse e o Hibernate configurados, coloca a aplicação para funcionar.
Assista os dois vídeos e perceba a diferença. Usar Hibernate é um saco, principalmente comparando ao esquema de persistência transparente usado no Rails, o activerecord. Programo em Java+JSP há alguns anos, e não achei nada divertido o tutorial do Trails. Quando assisti o tutorial do Rails só tinha ouvido falar de Ruby, nunca tinha escrito uma linha de código nessa linguagem. Apesar disso, achei aquilo tudo muito divertido.
Estou cada vez mais convencido de que o problema é a linguagem. Leia por exemplo o primeiro parágrafo desta resposta do Bruce Eckel.
E por falar em framework web e boa linguagem de programação, ontem comecei a mexer com CherryPy, dica do Jonas, e estou realmente impressionado. Reproduzi o livro de receitas do tutorial do Rails em 40 minutos (sim, eu sei, o vídeo tem apenas 10 minutos, mas eu estava aprendendo) e escrevi um Wiki funcional, embora ainda muito simples (usa pickle, não SQL), em menos de uma hora. Divertidíssimo.