Dica de Gmail: atalhos de teclado

Dica básica, mas como ainda encontro muita gente que não sabe: o Gmail possui atalhos de teclado que permitem fazer muita coisa sem usar o mouse. Para ligá-los, acesse “Configurações” (ou “Settings” na versão em inglês) no menu superior direito, e na aba “Geral”, que já deve ser a que estará aberta, procure o título “Atalhos de teclado” (“Keyboard shortcuts”).

Uma vez ligado o recurso, o principal atalho que você precisa conhecer é o ponto de interrogação (“?”) que mostra uma tela de ajuda com a lista de atalhos de teclado. Com essa lista você pode ir aprendendo aos poucos, conforme melhora seu uso do Gmail.

Codificar vídeo no Linux para iPod, iPhone, Android, PSP, etc? Transmageddon

O vídeo possui duas ferramentas fantásticas para a conversão de vídeo: ffmpeg e mencoder. Mas são ferramentas de linha de comando e nada fáceis de usar. Veja, por exemplo, como ripar DVDs para DivX com mencoder. Se a origem, ao invés de um DVD, for um arquivo mpeg, isso tudo muda bastante. Se a saída, ao invés de DivX, for mp4, muda bastante também.

Conheci recentemente o Transmageddon, ferramenta fantástica. Veja um screenshot:

Transmageddon

Se você clica em “Pré-definições”, por exemplo, veja a lista que aparece:

Transmageddon

Serve para quase tudo o que você pode querer fazer convertendo vídeo. Sem dor. Vale a pena experimentar.

Porque meu GPS não fala com a web?

Passei a última semana no IPAE, aqui. É o colégio em que fiz o segundo grau (faz tempo!), um lugar fantástico, ao pé de uma montanha, região com paisagens inacreditáveis. Me hospedei no colégio com minha família, para matar saudades, e todos os dias saíamos para visitar algum lugar em Petrópolis ou Teresópolis.

Há catorze anos, quando estudei lá, telefonava para minha família uma vez por semana apenas, pois os interurbanos eram muito caros. Dessa vez, estava conectado via rede 3G o tempo todo. O mundo mudou muito rápido em catorze anos. Ponto para o 3G da Claro, que funcionou em todo lugar onde fui, inclusive em todo o trajeto paulista (Dutra, Carvalho Pinto, Ayrton Senna) e em boa parte do estado do Rio de Janeiro. Na região de Itatiaia virou 2G, mas continuou funcionando.

Antes de sair para viajar, usávamos o Google Maps e a Wikimapia para encontrar os pontos de interesse. O problema? Depois de encontrar o ponto de interesse, meu sobrinho tinha que digitar os endereços no GPS para obter a rota. E quando o ponto de interesse ficava no meio de uma estrada, o jeito era navegar à mão no GPS até o lugar, arrastando o mapa para cá e para lá.

Será que só eu sofri com isso? Vocês, meus bem informados leitores, conhecem algum aparelho de GPS que fale com a web, através de alguma integração maluca? O ideal seria GPRS. Seria muito interessante se, enquanto estou dirigindo, um passageiro pudesse pegar o GPS e ver a navegação acontecendo sobre a Wikimapia, por exemplo. Alguém já viu isso? Alguma idéia de como fazer?

Brincando com a API do twitter

Resolvi experimentar um pouco a Twitter API. É linda, do jeito que toda API deveria ser. É REST, muito fácil de entender e colocar para funcionar, e devolve dados em XML, JSON, RSS e ATOM.

Essa simplicidade permite interagir com a API usando ferramentas simples da linha de comando do Unix, como o wget e a cURL. Para nossos exemplos, vamos usar cURL. Se você usa Ubuntu, antes de começar faça:

sudo apt-get install curl

Para fazer um simples post, por exemplo, você pode digitar, em seu terminal:

curl -u seu_username:sua_senha -d status="Twittando do terminal. Aprendi com o Elcio: http://blog.elcio.com.br/brincando-com-a-api-do-twitter/" http://twitter.com/statuses/update.json

É isso mesmo, meninos e meninas, é só um post com autenticação, mais nada. RESTful, simples e elegante, deixar qualquer SOAP no chinelo. Inspirador para qualquer um que precise projetar uma API. Isso retorna dados em JSON. Se você quiser os mesmos dados em XML, ATOM ou RSS, basta mudar a extensão na url.

Agora vamos automatizar isso. Eu criei um arquivo /usr/local/bin/twitter com o seguinte conteúdo:

source $HOME/.twitter
curl -u $user:$password -d status="$@" http://twitter.com/statuses/update.json

Naturalmente, criei o arquivo como root e dei permissão de execução para todos os usuários. Agora, no diretório de cada usuário, basta criar um arquivo .twitter com o seguinte conteúdo:

user=seu_username
password=sua_senha

Pronto, tendo feito isso, qualquer usuário que tenha o arquivo .twitter em seu home pode twittar do terminal com:

twitter "Twittando do terminal, aprendi com o Elcio: http://blog.elcio.com.br/brincando-com-a-api-do-twitter/"

Simples e indolor, agora você pode automatizar suas twittadas com shell script. Pode, por exemplo, twittar toda vez que seu servidor baleiar, ou agendar twits com cron.

Search API

A Search API também é espetacularmente simples, dê uma olhada. Fiz a UPBox usando a Twitter Search API, por exemplo, com 22 linhas de código.

FriendFeed é diferente do Wasabi

O Tiago Dória gostou da idéia de se criar um feed pessoal. Em seguida o Cris Dias discordou dele. Os argumentos do Cris são interessantes, ele coloca que a idéia já existia com o Wasabi, que teve o seu momento mas hoje não tem nenhuma relevância.

Eu, porém, vejo uma diferença fundamental entre o Wasabi e serviços como o FriendFeed. Quando me cadastrei no Wasabi, o fiz todo empolgado. Mas eu perdi o interesse logo que percebi que não poderia acompanhar as novidades do Wasabi no Google Reader. Nesse aspecto, o FriendFeed é justamente o que eu queria.

Por outro lado, é claro que eu não vou assinar o feed pessoal de todo mundo cujo blog eu leio. Não me interessam em nada as fotos de fim-de-semana daquele sujeito cujo blog sobre Linux eu acompanho. Nesse aspecto, concordo com o Fabricio Zuardi. Por outro lado, acharia muito interessante o feed pessoal de amigos mais próximos, colegas de escritório, familiares e pessoas que admiro muito. E quando um amigo criar uma conta no Flickr, eu não vou ter trabalho nenhum para ver as fotos.

Bom, para quem quiser, tenho meu feed pessoal no FriendFeed. Cuidado, você vai receber tudo o que eu publico, sobre todos os assuntos!

Intrusividade Windows

Esses dias precisei desenvolver alguma coisa em Windows para um cliente. Tenho algumas licensas de Windows aqui para essas emergências, então resolvi instalar o Windows XP no VMWare. Diferente da instalação do meu sistema operacional predileto, que está pronto para ser usado em menos de dez minutos, instalar o Windows é uma tarefa bastante dolorosa, que envolve um instalador chato e demorado, ativação, instalação de anti-vírus, anti-spyware, e aplicações básicas como um leitor de PDF, um editor de código, um pacote de escritório e etc.

Tudo isso me faz morrer de medo de ter que instalar meu Windows duas vezes. No dia seguinte ao da instalação desse Windows, o que incluiu a instalação do Flash, do Captivate, do Acrobat e uma porção de outras coisas, uma pessoa me ligou para lembrar de um compromisso. Resolvi desligar o computador e sair imediatamente para não me atrasar. Quando mandei a máquina desligar, veja a simpática mensagem que o Windows me mostrou:

Instalando atualização 13 de 85 (Windows XP)

Que ficava alternando com essa outra:

Não desligue ou desconecte o computador; ele será desligado automaticamente. (Windows XP)

Foram eternos 43 minutos nisso. E eu morrendo de medo de desligar e estragar minha instalação do Windows, esperei. Pode ser que eu esteja enganado, mas não me lembro de o sistema ter me perguntando se eu gostaria de instalar nesse momento as atualizações que ele baixou, ou de sequer me avisar antes que minha máquina precisava permanecer ligada.

Perdi meu compromisso e passei muita, muita raiva. Sistema operacional simpático.

Por que o arquivo ISO abre no compactador de arquivos?

Olha que coisa interessante, a Marcelle Ramalho resolveu experimentar o Linux. Pelo texto, dá para perceber que ela é bem iniciante em informática, e sem nenhum contato com o Linux[bb]. Veja esse trecho:

Baixei o arquivo da internet e meu primeiro baque foi gravá-lo em CD. O arquivo é compactado e eu prontamente descompactei-o, pois me parece uma coisa lógica a se fazer. Nada como um arquivo descompactado, não é mesmo? Pelo visto não era tão lógico, já que ao falar para o meu “personal Linux teacher” o que tinha feito ele levou uns minutos para responder: “QUEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE?”

Sim, você entendeu, ela baixou um arquivo ISO e não sabia o que fazer com ele. Essa dúvida é muito comum. E antes de culpar a moça pela desinformação, lembre-se de que ela não tem obrigação nenhuma de saber e foi induzida ao erro pelo Windows[bb], que mostrou o ISO com um comportamento e opções semelhantes ao de um arquivo ZIP, com o que ela já está familiarizada.

E o erro não acontece apenas no Windows. Veja, por exemplo, o que acontece aqui no meu Ubuntu quando eu clico com o botão direito em um arquivo ISO:

Arquivos ISO devem ser gravados em CD, não descompactados

Por que o “Criador de CD/DVD” não é a primeira opção? É muito útil poder abrir um arquivo ISO no compactador e extrair arquivos de lá de dentro, mas quantas vezes você realmente usa isso? A esmagadora maioria das vezes que alguém tem um arquivo ISO, quer simplesmente gravá-lo em CD.

Resolvendo o problema no Ubuntu

Para resolver o problema de verdade, o pessoal do Ubuntu precisaria modificar a distro para que a ação padrão para arquivos ISO seja gravar em CD. Mas você pode fazer isso em seu sistema, de maneira que possa gravar arquivos ISO com um duplo clique. Para isso, clique com o botão direito em um arquivo ISO e escolha “Propriedades”. Na janelinha que vai se abrir, clique na aba “Abrir com” e escolha o “Criador de CD/DVD”. Assim:

abrircom.gif
Pronto, agora duplo clique em arquivos ISO vão abrir no gravador de CD.

Que venham os leigos

Entre os comentários no artigo da Marcelle, há algumas pessoas que fazem questão de deixar bem claro que ela deveria saber o que é um arquivo ISO, que isso é coisa básica e que ela não deveria tentar peripécias no computador sem primeiro estudar o assunto. Teve até um camarada que sugeriu que ela primeiro lesse o Guia Foca Linux. Essa idéia é um absurdo!

Eu aprecio muito o Guia Foca Linux. Aprendi muita coisa com ele. Mas, definitivamente, não é para qualquer um. Dê uma olhada, por exemplo, na versão para iniciantes. São dezesseis capítulos, ensinando coisas como editar o fstab e gravar os dados do cache RAM em disco editar o .bash_profile dentro do /etc/skel e configurar o iptables para filtrar pacotes pelo mac address, tudo pela linha de comando. Ora, a pessoa só quer acessar a web, editar documentos, assistir DVDs e ouvir música, não é pedir demais querer que ela leia isso tudo primeiro?

Vamos deixar as coisas bem claras: eu e você lemos o manual de cada um de nossos aparelhos, muitas vezes antes de ligar e tentar usar. Nós sabemos ligar o closed caption da TV, programar as memórias do telefone e desligar o flash da câmera digital[bb]. Nós somos nerds. A esmagadora maiora das pessoas não lê os manuais, e é muito feliz assim!

Se você quer reclamar das pessoas que não lêem o manual, vá em frente. Vai gastar um bocado de tempo e energia para nada. Nossa obrigação, como nerds espertos, é desenvolver sistemas tão fáceis que pessoas que não lêem o manual consigam usar.

UPDATE: Conforme o Hudson apontou, eu tinha feito conversão entre as versões do Foca. Corrigido. Obrigado, Hudson!

Blogroll

Eu tinha uma idéia a respeito de blogrolls que eu não costumava compartilhar: a de que eles fogem aos objetivos do site. Pensava que o sujeito chega a um site procurando pelo bom conteúdo que há ali, ou porque assina o RSS[bb], logo não vai ver o blogroll, ou porque estava procurando algo no Google e, chegando com um objetivo específico, não vai clicar a esmo em qualquer link que achar bonito. Não costumava compartilhar essa idéia porque era só um palpite, eu não tinha nenhuma certeza disso.

Bom, mudei de idéia. Tenho clicado em tantos links legais em blogrolls por aí, e descoberto tanta coisa interessante, que fui convencido da utilidade disso. Então agora temos um blogroll. Está em ordem randômica, pois foi o jeito mais justo. Só links em português, para que todos possam aproveitar. Boa leitura!

IBM Lotus Symphony Bloated Office

A IBM lançou seu pacote de escritórios gratuito, o Lotus Symphony. Instalei aqui para testar. Para começar, ele não é “baseado no OpenOffice.org” como muitos sites por aí andam dizendo. Ele lê arquivos do formato ODF, o formato criado pela OpenOffice.org, e talvez tenha algum código ali realmente aproveitado do OpenOffice.org, mas ele é baseado mesmo é no Eclipse. Sim, é isso que você entendeu, o Symphony é construído sobre o Eclipe, em Java[bb], lento, lento, lento… Leva uma eternidade para carregar e demora um bocado a responder a alguns comandos. Fica praticamente impossível de se usar.

A primeira coisa curiosa é que o instalador para Linux[bb] coloca o programinha que desinstala o Symphony num lugar escondido e não avisa o usuário. Então fica a dica para você que usa Linux e, como eu, instalou o Symphony e se arrependeu o instalador está em:

/opt/ibm/lotus/Symphony/_uninst/uninstaller.bin

Outra coisa interessante é que a interface do programa ficou muito boa. O investimento em usabilidade que a IBM tem feito há anos, o que eles chamam de User Centered Design, tem dado resultado. O problema é que o software é tão lento que é insuportável usá-lo mesmo tendo uma excelente interface.

Se você já é usuário de OpenOffice.org, não vejo nenhum bom motivo para tentar o Symphony. Se não é usuário de OpenOffice.org, por favor, não instale o Symphony. Tente o OpenOffice.org.

Para mim o Symphony serviu mesmo para mostrar o poder de um padrão aberto. Tenho em minha máquina agora três pacotes de escritório: KOffice, OpenOffice.org[bb] e IBM Lotus Symphony, e os três trabalham com exatamente o mesmo formato de arquivo. Sem segredos, sem royalties, sem truques. Inclusive a compatibilidade entre eles é muito boa. E qualquer um pode fazer um programa que trabalha com o mesmo formato.

Veja, por exemplo, como é simples fazer um shell script que exporta um documento ODT para texto:

#!/bin/bash
mkdir .tmp_odt2txt
cp $1 .tmp_odt2txt
cd .tmp_odt2txt
unzip $1
cd ..
sed -e "s/<text:p[^>]*>/\n/g" .tmp_odt2txt/content.xml|sed -e "s/<[^>]*>//g" > $1.txt
rm -rf .tmp_odt2txt

Como estamos falando de um padrão aberto, usamos ferramentas simples disponíveis em qualquer Unix e lemos o arquivo. Tente fazer isso com um documento do Microsoft Word e você vai entender o que eu quero dizer.

Spesa, desisti logo de cara

Acabo de me cadastrar no Spesa. O Spesa é um gerenciador de finanças pessoais[bb] online. Você controla seu fluxo de caixa, anota cada movimento e sabe exatamente para onde foi o seu dinheiro. O aplicativo parece muito bem desenvolvido, a interface é agradável e fácil de usar, e a idéia é genial.

Não me cadastrei para avaliar o produto, mas porque tenho interesse em usá-lo mesmo. Todas as boas opções que eu conheço para fazer a mesma coisa não são online. Planilhinha no Google Docs? Esquece!

Bom, fiz o cadastro inicial, ativei minha conta e fiz meu primeiro acesso. A primeira tela a ser apresentada é essa:

spesa.png

Legal, você começa a usar o aplicativo indicando seu saldo inicial. O problema é que eu tenho mais de uma conta bancária. Coloquei zero de saldo só para poder passar para a próxima tela e constatei o que eu temia: se você tem mais de uma conta, o Spesa é inútil.

Uma pena, espero que eles ofereçam uma maneira de gerenciar mais de uma conta logo, porque eu realmente preciso de um serviço desses.

Vá de Metrô

Site novo: vademetro.com.br. De um aluno da Visie, Thomas Pomerancblum, o site é um excelente auxílio tanto para quem é de São Paulo[bb] e está procurando por alguma coisa perto do metrô quanto para quem chega de outras cidades e tem que se virar no metrô de São Paulo.

O Thomas citou o meu mini guia para o Metrô no blog do Vá de Metrô. Modéstia dele. O Vá de Metrô substitui com vantagens meu pequeno guia.

Ao encontrar um lugar você pode ver um roteirinho das estações, mostrando como chegar da estação onde você está, e um mapinha do Google Maps[bb] com o lugar onde você vai e a estação do Metrô mais próxima, para o trecho a pé. O projeto está começando, mas já é bastante útil. Acredito que eles vão apreciar bastante suas sugestões. Olha a Visie lá.

CSS de impressão no fechaTag

Acabo de criar um CSS de impressão para este blog. Levei uns dez minutos.

O código ficou assim:

form,#sidebar,iframe,#otop,#respond,.navigation,.rec6,.linkk{
display:none;
}
h2{
margin:0;
}
.entry{
line-height: 150%;
}
#header h1{
margin:0;
padding:0;
font-size:24px;
}
#header .description{
padding:0;
}
h2{
padding:40px 0 0;
margin:0;
}

E o resultado:

Em suma: você esconde tudo o que não pode ser usado ou não faz sentido no papel (menus, formulários, etc.) e tenta não atrapalhar o usuário. Aliás, não dá para fazer muito mais do que isso. Os mecanismos de impressão dos navegadores foram feitos para simplificar as páginas e economizar tinta.

Fácil, não?

Microsoft, Google e o poder da massa crítica

Está todo mundo por aí falando sobre:

  • Microsoft Surface, um computador-mesa realmente impressionante. Entre no site e veja alguns dos videozinhos que você vai entender.
  • Google Gears, uma extensão para Firefox/Internet Explorer que permite ao desenvolvedor web guardar dados locais, na máquina do usuário.
  • O Orkut agora permite que você cadastre feeds em seu perfil.

Quando olhei cada um desses lançamentos, tive a mesma reação: “Ah, grande coisa!”

Nenhuma dessas idéias é nova ou revolucionária. Começando pelo Surface, é uma coleção de idéias velhas. Já vimos parte delas implementada no iPhone e na maneira como o sujeito pode usar os dedos nele. A idéia de colocar um computador numa mesa ou permitir seu uso por mais de uma pessoa também não é nova. E a maquininha da Microsoft está saindo por 10 mil. Dólares.

O Google Gears merece um pouquinho de explicação antes de dizer que a idéia não é nova. O Gears tem três componentes importantes. O primeiro é um tipo de servidor proxy com cache local. É um pouquinho mais do que isso, mas no fim permite a uma aplicação web responder dados ao usuário uma única vez, e ele terá esses dados em sua própria máquina a partir daí. O segundo é um banco de dados local, que permite a uma aplicação web, por exemplo, funcionar offline. O terceiro é um mecanismo para fazer com que seus scripts possam ser executados em segundo plano, sem congelar o navegador. De verdade? Isso não é nem tão novo, nem tão revolucionário assim. Para o sujeito que está desenvolvendo um Gmail, pode fazer diferença. Mas para pequenas aplicações, ou mesmo as medianas, dessas que a gente desenvolve todo dia, tudo poderia ser resolvido com cookies e um pouquinho de inteligência, sem demandar a instalação de um plugin.

Por fim, os feeds no Orkut. Aqui a experiência de quem esperava algo realmente novo pode ser decepcionante. Leia os comentários do Charles Pilger sobre o assunto, por exemplo.

Apesar disso, há algo que pode realmente fazer diferença nesse tipo de produto: massa crítica, quantidade de usuários, visibilidade. O Surface pode mostrar ao mundo a idéia nova. Talvez eu nunca venha a ter um Microsoft Surface, mas quem sabe eu daqui a algum tempo comecem a vender o XingLing Surface, o Itautec Surface ou o Positivo Surface? Tenho perguntado ao auditório, nos Encontros Locaweb, quem usa leitores de feeds e quem fornece RSS de qualquer maneira. Num público de desenvolvedores, o número de pessoas que levantam suas mãos é assombrosamente baixo. Imagino que entre os seres humanos comuns este números deve ser ainda menor. Feeds no Orkut podem ser um excelente recurso educativo. Isso pode fazer muita gente descobrir o RSS.

Em relação ao Gears, assim como em relação ao Silverlight, que não está na lista acima porque já tem um tempo, acontece algo curioso. Quem teria coragem de apostar hoje numa tecnologia que exige a instalação de um plugin para que seu site seja usado? Se fosse qualquer empresa pequena que estivesse lançando um desses produtos, ele logo seria descartado como algo ridículo. Mas todo mundo tem suas em relação ao poder de empresas como a Microsoft ou o Google de fazer com que as pessoas instalem algo em suas máquinas.

Em suma, quando você tem metade da Internet usando seus produtos, as regras podem ser diferentes para você. E quando você lança um Google Notebook ou um Zune, as pessoas parecem se esquecer muito rápido que você fracassou.

Em relação ao fato de não haver nenhuma novidade nesses produtos, vale lembrar o que diz o Getting Real: uma boa idéia não vale quase nada, o que vale mesmo é uma boa execução. Embora o Surface não seja novo, parece pelos vídeos que foi executado de maneira exímia.

E, claro, a história dos computadores mostra que nem sempre os melhores vencem. Nada de certezas, por enquanto.

Links interessantes:

Ubuntu e o poder do Open Source

Bill Gates recomenda Ubuntu

Uma das grandes vantagens do open source, algo que na maioria dos softwares conhecidos é o que realmente movimenta o projeto, é o fato de que qualquer um pode colaborar. Você pode alterar e melhorar um software, enviando as correções para o autor, ou pode criar um “fork”, uma versão sua daquele software. Pode também criar ferramentas para o software, criar arte como temas, templates, ícones, e até criar suas próprias campanhas de divulgação.

Veja por exemplo o Wubi. É um instalador de Ubuntu para usuários de Windows[bb]. Com ele você pode instalar o Ubuntu em seu computador com Windows no tradicional esquema Redmond “Next-Next-Finish”. O Wubi instala o Ubuntu numa “partição virtual”, um arquivo dentro do sistema de arquivos do Windows. Ou seja, você não precisa se preocupar em gravar um CD, formatar ou particionar seu HD e outras tarefas espinhudas.

O Wubi não é uma ferramenta oficial da distribuição. Foi feito por alguém que queria colaborar com o Ubuntu. Software livre é isso aí.

Você pode colaborar como quiser. Por exemplo, criando uma capa personalizada para o seu DVD do Ubuntu e compartilhando com quem quiser.

Songbird ainda não está pronto para mim

Como todo mundo anda elogiando, resolvi testar o Songbird. O programa é lindo! Mas eu acho que ainda não vou conseguir usá-lo. Talvez eu não tenha entendido direito o funcionamento do programa, e algum leitor mais esperto do que eu possa me ajudar.

Eu entendi errado ou o Songbird não entende feeds de Podcast? Só consegui pedir ao programa para assinar o conteúdo de uma página, que carregue no navegador, não um feed XML[bb]. No caso de feeds que possuem uma folha de estilo XSLT para o navegador, como os do Feedburner, a coisa funciona porque o Songbird os entende como uma página web:

Songbird vendo um feed no Feedburner

Já se o arquivo XML não tem nenhuma mágica associada a ele, veja o que acontece:

Songbird vendo um feed XML

Ou seja, eu preciso visitar o site, e mandar o Songbird “assinar” a página que contém a lista de arquivos mp3. Há uma série de problemas com essa abordagem:

  1. Nem todos os feeds tem uma página HTML[bb] que liste os arquivos. Estes eu não posso assinar.
  2. O endereço da página pode mudar. Não deveria, claro, “cool URI don’t change” certo? Mas pode. E muita gente publica conteúdo só no feed, exclusivo para quem assina.
  3. Preciso navegar na minha coleção de podcasts e repetir este processo um a um.
  4. Por falar nisso, não há uma maneira de importar meu OPML. Incluir os podcasts um a um não é divertido. E como ele também não exporta, usar o Songbird significaria repetir o processo no dia em que eu resolvesse migrar para outro programa.

Ou seja, por enquanto ainda não vou me arriscar com o Songbird. É um projeto open source, baseado em XUL, logo é muito fácil criar extensões para ele e melhorá-lo. Qualquer um que saiba javascript pode colaborar. Quem sabe eles não resolvem isso rápido?

Instalei o PidGin 2.0

Acabo de instalar o tal PidGin 2.0.0, o substituto do Gaim, o programa que, ao ser lançado, causou tanto movimento que derrubou o site oficial. Ele está disponível para Windows e Linux[bb]. Para quem não sabe:

O Pidgin é um cliente de mensagens modular capaz de usar o AIM, MSN, Yahoo!, Jabber, ICQ, IRC, SILC, SIP/SIMPLE, Novell GroupWise, Lotus Sametime, Bonjour, Zephyr, Gadu-Gadu e QQ de uma vez só. Ele é escrito usando o GTK+.

Baixei os fontes do SourceForge, o pacote pidgin-2.0.0.tar.gz, aqui no meu Ubuntu 6.10. Depois o processo foi:

$ tar -xzvf pidgin-2.0.0.tar.gz
$ cd pidgin-2.0.0.tar.gz
$ ./configure
$ make
$ sudo make install

Assim mesmo, como manda o figurino, sem nenhum errinho. Ele leu meus contatos e contas do Gaim e já abriu conectando, pronto para usar.

É o bom e velho Gaim, com pequenas melhoras e novas funcionalidades, mais rápido e muito, muito mais bonito. A interface também deu uma boa melhorada em relação à usabilidade. Além disso, agora ele conecta em ainda mais redes que eu não vou usar 😉

Updated: endereço do site corrigido. Obrigado pessoal.

A experiência de uso Linux

Sobre as grandes diferenças: Coisas que posso fazer em Linux e em windows não

Sobre as semelhanças (e as pequenas diferenças): Linux[bb] x Windows

Se você trabalha com internet, essa série deve interessá-lo:

Por falar nisso, no terceiro artigo dessa série o perguntou nos comentários:

Como você, vim do Windows/DreamWeaver para Linux/?(ainda). Gostei do
que vi no QuantaPlus, realmente é excelente, porém um das vantagens que
eu via ao usar o DreamWeaver com seu FTP era
o de ter sempre a certeza de pegar a última versão do programa e não
precisar me preocupar em enviar o arquivo certo e se está na última
versão. Eu abria o arquivo direto do ftp, ele baixava o último
(inclusive as dependências) abria na minha tela, eu editava (um ou mais
de um) salvava e o DreamWeaver já efetuava o Upload. Eu gostaria de
saber como é o seu procedimento agora. De repente eu também mudo e vejo
as vantagens. Sempre devemos estar aberto a aprender, né?

Tentei responder por lá, mas o sistema matemático parece funcionar com uma matemática diferente da minha. Então minha resposta vai aqui:

araujo,O Kate faz isso que você está querendo. Ele tem uma barra lateral de navegação em arquivos. Você pode adicionar um favorito ali no formato:

ftp://usuario:senha@servidor.com.br/pasta

Também suporta uma série de outros protocolos, como o sftp. Adicionando o favorito, é só clicar nele que o Kate lista os aruqivos e pastas. Clicando num arquivo o Kate abre diretamente do FTP, e se você salvar, salva direto lá também.

A dobradinha nautilus/gedit também torna isso transparente para você. Se você se conecta a um servidor de FTP pelo nautilus, pode clicar com o botão direito em qualquer arquivo e escolher “Abrir com Editor de Textos”. O nautilus também coloca o servidor de FTP como um dos caminhos possíveis nas caixas de abrir e salvar do gedit.

Quem tem medo do terminal?

Estava ajudando um amigo a instalar o Ubuntu[bb] em sua máquina, tentando evitar, a todo custo, me conectar por ssh. E tentando evitar também o uso de terminal, pois meu amigo estava migrando de Windows e parecia ter um certo receio da tela preta. Tivemos alguns problemas com o Automatix, e entrei no canal #ubuntu-br da Freenode para perguntar. Fiquei impressionadíssimo com a solicitude das pessoas que estavam online. Uso bastante irc, e é comum estar em canais sobre Python[bb], SQLObject, Javascript e etc. E sei que geralmente quem se dá ao trabalho de estar ali é porque realmente gosta de ajudar. Mas o pessoal da #ubuntu-br foi especialmente paciente e atencioso.

Depois que desconectei, recebi até um e-mail do Vinícius Depizzol sanando as dúvidas que haviam ficado pendentes. Obrigado Vinícius, obrigado ao pessoal do #ubuntu-br.

Uma das coisas que o Vinícius me mostrou é que eu não preciso de Automatix. Quase tudo o que se faz por ele pode ser feito pelo Ubuntu, na interface gráfica, sem nenhum programa especial. Boa parte no menu “Aplicações” -> “Adicionar/Remover”. E o que não dá para resolver lá geralmente é muito fácil de fazer no terminal.

Isso me fez pensar. Nós, programadores, sabemos que o terminal (shell, console ou como você preferir chamá-lo) é a ferramenta mais poderosa dos sistemas Unix. Não há outra maneira de se obter a rapidez e flexibilidade que se tem num terminal.

Estes dias vi um amigo fazendo algo curioso. Ele precisa copiar uma pasta no servidor, chamada “site”, para “sitenovo”, para começar a trabalhar no novo site. Ele se conectou por FTP, copiou a pasta inteira para a sua máquina (eram alguns megabytes) renomeou e enviou de novo para o servidor. Mais de meia hora de trabalho. Ele poderia ter se conectado via SSH e feito:

cp -r site sitenovo

E em menos de um minuto a cópia estaria feita.

Claro, isso não é novidade nenhuma para o usuário de Linux que já lida com o terminal há algum tempo. Um administrador de sistemas Linux é uma pessoa muito mais feliz graças ao terminal. Mas como fazer com que o usuário de interface gráfica, que não tem gosto pela linha de comando, não perca o tempo que meu amigo perdeu? Como fazer com que o webdesigner que publica arquivos num servidor remoto aprenda pelo menos o básico? Que ele saiba copiar, mover, apagar e editar arquivos e diretórios, navegar por diretórios, sincronizar diretórios, comparar arquivos, criar pequenos scripts para automatizar tarefas e editar o seu crontab?

Política de Segurança do Bradesco! Raios Múltiplos!

O Bruno começou: Bradesco: O pior internet banking que eu já vi.

É mesmo, de longe, o pior que eu conheço. Sou cliente Bradesco e Itaú há um bocado de tempo. Mantenho minha conta no Bradesco por uma série de motivos. Primeiro, porque eles me ofereceram crédito pessoal, cartão de crédito, cheque especial e uma porção de outras facilidades, sem que eu precisasse ir até o banco pedir. Sei que eles não fazem isso por bondade, que é interesse do banco que eu me endivide e pague juros a eles. Mas no Itaú, tendo praticamente o mesmo tempo de conta e tendo durante alguns anos movimentado mais dinheiro lá do que no Bradesco, não tenho nem talão de cheques. Eu sei que se for à agência pedir é capaz de conseguir essas facilidades, mas, caramba, tenho que ir à agência?

Há outros motivos para manter minha conta no Bradesco. Embora seja considerado um “banco das massas” e muita gente reclame das filas, tenho tido muita sorte com o atendimento deles na agência. A rede de caixas eletrônicos também é exemplar. Onde eu vou tem um caixa Bradesco Dia e Noite. E, se não tiver, eles ainda têm convênio com a rede 24 horas, embora aí eu pague para sacar. Isso é bem melhor que o sistema do Itaú, onde eu só posso sacar em caixas eletrônicos do próprio Itaú, tenho um limite (pequeno) de saques por mês e, se sacar além do limite, pago uma tarifa por cada saque extra. Além disso, se faço um saque em qualquer caixa eletrônico fora da agência, num supermercado, posto de gasolina ou rodoviária, por exemplo, também pago por aquele saque. Além disso, as tarifas no Itaú são um assalto!

Me sinto entre a cruz e a espada com os dois bancos.

Um ponto para o Bradesco: Uma vez perdi meu cartão do Itaú. Tive que ir até a agência para assinar uma solicitação de um novo. O gerente me deu um prazo, mas a única maneira de saber se o cartão já havia chegado era telefonar para o gerente ou ir até a agência. Acontece que ninguém consegue telefonar para o gerente. Quando o cartão finalmente chegou, o gerente me entregou o cartão e me disse que eu tinha que cadastrar uma senha para liberar o cartão para uso. E para isso, tinha que pegar a fila do caixa. Era o quinto dia útil do mês, a fila era uma daquelas que quase não cabe na agência. No Bradesco, quando meu cartão quebrou, fiz o pedido de um novo por telefone e o recebi em casa.

Um ponto para o Itaú: há pouco tempo eu me mudei e resolvi transferir as contas para uma agência perto de casa. No Itaú a moça digitou meia dúzia de coisas no computador, me deu um único documento para assinar e colou um adesivo em meu cartão com o número da nova conta. Pronto, a conta estava transferida e eu já podia movimentá-la. No Bradesco me pediram uma carta, de próprio punho, solicitando a mudança, me deram um documento de encerramento da conta antiga para assinar, mais toda a papelada de abertura de uma conta nova. Maços e maços de papéis para assinar. Aliás, o Bradesco parece que adora gastar papel. Está bem que eles trabalham com papel reciclado, mas acho que eles fariam mais bem à Natureza se simplesmente poupassem a metade do papel que gastam.

No fim, não sei que banco escolher. Não se também se abro uma conta em um outro e encerro as duas que tenho.

Agora, falando em políticas de segurança, o Bradesco realmente é o campeão da chateação. Uma vez minha esposa telefonou para o Fone Fácil, que devia se chamar Fone Difícil. Ela não estava acostumada às confirmações de cadastro. Aqui em casa, quando a gente precisa telefonar para a companhia telefônica, o banco ou qualquer outro fornecedor de serviços, geralmente sou eu que faço. Você nunca foi pego de surpresa quando perguntam sua idade? Principalmente perto do seu aniversário? Foi o suficiente para bloquearem a conta dela e ela ter que ir até a agência para resolver o problema.

Esse tal “Cartão Chave de Segurança Bradesco” é a coisa mais famigerada que já inventaram. O Itaú tem um igualzinho, mas o Bradesco me pede o cartão para acessar também o Fone Fácil, que devia se chamar Fone Difícil, e para fazer saques no caixa eletrônico.

Preste atenção nos passos para saber meu saldo no Internet Banking:

  1. Acesso o site do Bradesco.
  2. Digito agência e conta e Enter.
  3. Espero, dependendo da conexão muito, até carregar um applet Java.
  4. Digito minha senha eletrônica (não é a mesma do cartão para saque) usando o teclado virtual.
  5. Digito minha frase secreta (pelo menos 22 letras) e Enter
  6. Aparece uma tela me pedindo um dos números do meu cartão chave. Tiro o cartãozinho odioso da carteira, encontro e digito o número pedido e Enter.
  7. Pronto, aparece meu saldo. Viu como é fácil?

Um cliente Bradesco tem:

  1. Uma senha do cartão de débito
  2. Duas letras secretas para usar o caixa eletrônico
  3. Uma senha eletrônica para Internet e Fone Fácil
  4. Um cartão de segurança com 70 números

E de vez em quando ainda te pedem para confirmar dados pessoais em algumas operações.

Por fim: estava tentando testar um serviço novo, o NovoFax, mas não consegui porque o sistema da Visa me manda para o Bradesco quando tento fazer uma compra, e, embora o site e o Internet Banking funcionem no Firefox, os sistemas de pagamento eletrônico não. Estou pensando aqui se assino via boleto ou simplesmente desisto.